Países

Global flag icon
Global
Albania flag icon
Albania
Brazil flag icon
Brazil
Chile flag icon
Chile
Croatia flag icon
Croatia
Finland flag icon
Finland
France flag icon
France
Germany flag icon
Germany
India flag icon
India
Ireland flag icon
Ireland
Italy flag icon
Italy
Netherlands flag icon
Netherlands
Norway flag icon
Norway
Peru flag icon
Peru
Poland flag icon
Poland
Portugal flag icon
Portugal
Spain flag icon
Spain
Sweden flag icon
Sweden
Türkiye flag icon
Türkiye
United Kingdom flag icon
United Kingdom
United States flag icon
United States

Mudança climática – correndo contra o tempo

Artigo escrito por Fernando De Lapuerta

CEO e diretor presidente da Statkraft Brasil,

sobre a mitigação das mudanças climáticas no mundo.

Contéudo publicado no Canal Energia.

A mitigação da mudança climática é mais urgente do que nunca. É necessária uma ação forte e imediata para nos mantermos dentro das metas estabelecidas pelo Acordo de Paris. A cada aumento no aquecimento global, os impactos se tornam mais intensos. A 7ª edição do relatório internacional Low Emission Scenario (Cenário de Baixas Emissões 2022) da Statkraft mostra a importância da transição energética global até 2050 para que tenhamos a chance de manter ao alcance o limite de 1,5°C.

A emergência climática impõe a necessidade de se descarbonizar a economia e repensar o modelo produtivo. A temperatura global aumentou 1,1 °C acima da época pré-industrial e estamos sentindo os efeitos em forma de furacões, incêndios florestais e enchentes. Nos níveis atuais de emissões, há risco de uma potencial catástrofe climática. Devemos reduzir as emissões de CO2 em 60% até 2050, o que limitaria o aquecimento global em 2°C.

A crise energética enfrentada atualmente, principalmente na Europa, é um importante catalisador para a transição para a energia verde. A principal solução para obter segurança e independência energética é desenvolver energia limpa e eficiente em um ritmo mais rápido do que antes.

De acordo com o IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change), temos apenas 400 bilhões de toneladas (400 Gt) de carbono restantes no orçamento de carbono para limitar o aquecimento a 1,5°C. Dadas as emissões médias anuais de 39,4 Gt CO2 na última década, o orçamento mundial de carbono será gasto nos próximos 10 anos se o nível atual de emissões for mantido.

Atualmente, o setor de energia, responsável por 76% das emissões de gases de efeito estufa, é o ponto focal dos esforços de limitação do aquecimento global. Migrar de uma produção de energia fóssil para uma matriz energética limpa é uma tarefa complexa, que demanda ampla sinergia entre o poder público e o mercado, além de mais investimentos em projetos de infraestrutura e inovação.

Brasil – autossuficiência energética

A transição para um sistema de energias renováveis significa deixar de ser dependente de combustíveis fósseis. O Brasil ocupa uma posição privilegiada em direção à descarbonização. Com a abundância de recursos naturais, o País tem potencial de ser líder na transição energética global e aproveitar esta oportunidade para atingir um crescimento econômico realmente verde.
Contudo, para que a transição energética de fato ocorra por aqui, é necessário maior eficiência energética, ampliação da matriz elétrica com fontes renováveis e uso dessa energia renovável para substituir combustíveis fósseis na indústria e no transporte.

A produção de energia renovável teve um aumento significativo, sobretudo eólica – que já possui 12% de participação na matriz elétrica nacional –, com grande parte concentrada na região Nordeste. O setor de energia está no meio de uma grande transformação, passando por uma rápida mudança para tecnologias renováveis. As novas adições de capacidade são dominadas por energia solar e eólica, que mostraram um crescimento recorde por vários anos consecutivos. Ambas superam outras tecnologias em termos de custo e benefícios para o clima.

Transição energética global – Europa enfrenta grave pressão

O Cenário de Baixas Emissões da Statkraft é otimista em termos de tecnologia, mas realista para a transição energética global de hoje até 2050. O mundo alcançará a meta se o impulso existente para tecnologias limpas e políticas climáticas continuar.
Globalmente, o sistema energético enfrenta imensa pressão. A Europa está em crise. A Rússia de Vladimir Putin está espremendo o fornecimento de gás. O risco de um déficit de energia provocou o aumento e a volatilidade dos preços do gás na Europa, que posteriormente levaram a um aumento dramático nos preços da energia. Isso levou muitos consumidores vulneráveis para a pobreza energética e reduziu a atividade industrial. Dada a natureza global dos mercados de energia fóssil, as ramificações desses desenvolvimentos foram sentidas em todo o mundo.

O futuro depende de energia sustentável, confiável e limpa

Os sistemas de energia do futuro devem fornecer energia acessível sem comprometer a segurança do abastecimento ou a sustentabilidade. O nosso futuro depende disto.
O aumento do uso de energia renovável, aliado a soluções tecnológicas disponíveis para garantir maior flexibilidade, já apontam para esta direção. A energia solar superará amplamente os concorrentes fósseis e se tornará a fonte dominante de eletricidade, enquanto as soluções de armazenamento de energia, como as baterias, serão essenciais para manter o equilíbrio no sistema mais intermitente.
A energia hidrelétrica hoje é a maior fonte renovável do mundo. Hidrelétrica é uma das poucas soluções capazes de cobrir os requisitos de flexibilidade em longos períodos, como dias e semanas inteiros, e seguirá certamente com um papel preponderante no sistema energético global até 2050.
Esse cenário pressupõe que política, mercados e tecnologia conduzam conjuntamente a transição energética para a descarbonização.

A solução é energia renovável

É primordial haver a expansão da capacidade da energia renovável, assim como a eletrificação da indústria, do transporte e das edificações, implementando energia limpa e renovável, já que também possuem custos inferiores às fontes de energia fóssil.
Daqui a apenas 13 anos, o Sol será a maior fonte de energia do mundo. Num futuro próximo, produzirá 26 vezes mais energia do que hoje. Junto com o vento, produzirá dois terços de toda energia que nós usamos. E quando o Sol não brilhar ou o vento não soprar, outras soluções, como energia hidrelétrica, baterias e o uso flexível de energia preencherão as lacunas.
Embora existam várias tendências positivas, esforços devem ser acelerados para atender às ambições climáticas e já temos as tecnologias que nos permitem fazê-los.

 

 

Fernando De Lapuerta
CEO e diretor presidente da Statkraft
EndereƧo

Florianópolis, Santa Catarina